terça-feira, 24 de janeiro de 2017

"A Cadeira amarela" de Van Gogh

«A cadeira amarela» de Van Gogh

No chão de tijoleira uma cadeira rústica,
rusticamente empalhada, e amarela sobre
a tijoleira recozida e gasta.
No assento da cadeira, um pouco de tabaco num papel
ou num lenço (tabaco ou não?) e um cachimbo.
Perto do canto, num caixote baixo,
a assinatura. A mais do que isto, a porta,
uma azulada e desbotada porta.
Vincent, como assinava, e da matéria espessa,
em que os pincéis se empastelaram suaves,
se forma o torneado, se avolumam as
travessas da cadeira como a gorda argila
das tijoleiras mal assentes, carcomidas, sujas.

Depois das deusas, dos coelhos mortos,
e das batalhas, príncipes, florestas,
flores em jarras, rios deslizantes,
sereno lusco-fusco de interiores de Holanda,
faltava esta humildade, a palha de um assento,
em que um vício modesto – o fumo – foi esquecido,
ou foi pousado expressamente como sinal de que
o pouco já contenta quem deseja tudo.

Não é no entanto uma cadeira aquilo
que era mobília pobre de um vazio quarto
onde a loucura foi piedade em excesso
por conta dos humanos que lá fora passam,
lá fora riem, mas de orelhas que ouçam
não querem mesmo numa salva rica
um lóbulo cortado, palpitante ainda,
banhado em algum sangue, o «quantum satis»
de lealdade, amor, dedicação, angústia,
inquietação, vigílias pensativas,
e sobretudo penetrante olhar
da solidão embriagadora e pura.

Não é, não foi, nem mais será cadeira:
Apenas o retrato concentrado e claro
de ter lá estado e de ter lá sido quem
a conheceu de olhá-la, como de assentar-se
no quarto exíguo que é só cor sem luz
e um caixote ao canto, onde assinou Vincent.

Um nome próprio, um cachimbo, uma fechada porta,
um chão que se esgueira debaixo dos pés
de quem fita a cadeira num exíguo espaço,
uma cadeira humilde a ser essa humildade
que lhe rói de dentro o dentro que não há
senão no nome próprio em que as crianças têm
uma fé sem limites por que vão crescendo
à beira da loucura. Há quem assine,
a um canto, num caixote, o seu nome de corvo.
E há cantos em pintura? Há nomes que resistam?
Que cadeira, mesmo não-cadeira, é humildade?
Todas, ou só esta? Ao fim de tudo,
são só cadeiras o que fica, e um modesto vício
pousado sobre o assento enquanto as cores se empastam?

- Jorge de Sena
De:
 http://omelhoramigo.blogspot.com.br/2009/06/cadeira-amarela-de-van-gogh.html

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016


John Winston Ono Lennon, nascido John Winston Lennon; (Liverpool, 9 de outubro de 1940  Nova Iorque, 8 de dezembro de 1980)


John Lennon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
John Lennon
John Lennon em concerto com os Beatles, em 1964.
Informação geral
Nome completoJohn Winston Lennon
John Winston Ono Lennon (depois de casado)
Nascimento9 de outubro de 1940
Local de nascimentoLiverpoolInglaterra
 Reino Unido
Data de morte8 de dezembro de 1980 (40 anos)
Local de morteNova IorqueNI
 Estados Unidos
Gênero(s)Rockpop rockrock psicodélicorock experimental
CônjugeCynthia Powell (1962–1968)
Yoko Ono (1969–1980; sua morte)
Instrumento(s)vocalguitarrapianobaixoviolãogaitasitar
Período em atividade1957 – 1980
Afiliação(ões)The Quarrymen
The Beatles
Plastic Ono Band
Harry Nilsson
The Dirty Mac
Yoko Ono
David Bowie
Elton John
Página oficialJohnLennon.com
Firma de John Lennon.svg
John Winston Ono Lennon[1]MBE, nascido John Winston Lennon; (Liverpool9 de outubro de 1940 — Nova Iorque8 de dezembro de 1980) foi um músicoguitarristacantorcompositorescritor e ativista britânico.
John Lennon foi um dos fundadores da banda britânica The Beatles, em que, junto com Paul McCartney, fez parte de uma das mais importantes duplas de compositores do século XX. Em 1966, conheceu a artista plástica japonesa Yoko Ono, com quem iniciou um relacionamento pessoal, sentimental, artístico e profissional. Em 1968, Lennon e Ono produziram um álbum experimental, Unfinished Music No.1: Two Virgins, que causou grande controvérsia por apresentar uma foto do casal nu, de frente e de costas, na capa e contracapa. A partir deste momento, John e Yoko iniciariam uma parceria artística e amorosa, que continuaria até a morte do cantor. Cynthia Powell, a primeira esposa de Lennon, mãe de seu primeiro filho, Julian Lennon, pediu o divórcio no mesmo ano, alegando adultério. Em 20 de março de 1969, Lennon e Ono casaram-se, durante uma cerimônia civil ocorrida no rochedo de Gibraltar. Utilizaram a repercussão mediática de seu casamento para divulgar um evento pela paz, chamado de "Bed in", ou "Na Cama Pela Paz", como um happening de sua lua-de-mel, realizada no Hotel Hilton, em Amsterdã. No final do mesmo ano, Lennon comunicou aos seus parceiros de banda que estava deixando os Beatles. Na mesma época, Lennon devolveu sua medalha de Membro do Império Britânico à Rainha Isabel II,[2] como uma forma de protesto contra o apoio do Reino Unido à guerra do Vietnã, o envolvimento do Reino Unido no conflito de Biafra e "o fraco desenvolvimento de Cold Turkey nas paradas de sucesso".
Em 10 de abril de 1970, Paul McCartney anunciou oficialmente sua saída dos Beatles, e o consequente fim da banda. Antes disso, John Lennon havia lançado outros dois álbuns experimentais, em parceria com Yoko Ono, Unifinished Music No. 2 Life with lions e Unifinished Music No.3: Wedding album. Também lançara o compacto "Cold Turkey" e o disco ao vivo Live peace in Toronto, creditados à banda Plastic Ono Band, com a participação de Eric ClaptonKlaus Voormann e Alan White. No final do ano, foi lançado o primeiro disco solo de Lennon, após o fim dos Beatles: John Lennon/Plastic Ono Band, que contou com a participação de Ringo Starr, Yoko Ono e Klaus Voormann.
Durante a década de 1970, John e Yoko envolveram-se em vários eventos políticos, tendo por objetivo a promoção à paz, os direitos das mulheres e trabalhadores e também exigindo o fim da Guerra do Vietnã. Seu envolvimento com líderes da extrema-esquerda norte-americana, com Jerry Rubin, Abbie Hoffman e John Sinclair, além de seu apoio formal ao Partido dos Panteras Negras, deu início a uma perseguição ilegal do governo Nixon ao casal. A pedido do Governo, a Imigração iniciou um processo de extradição de John Lennon dos Estados Unidos, baseando-se oficialmente em uma condenação por porte e uso de maconha, a que Lennon havia sido submetido em 1968, na Inglaterra. Durante este período, entre os anos de 1973 e 1975, Lennon e Yoko separaram-se, no episódio que foi nomeado pelo próprio Lennon como o "fim de semana perdido".
Após reconciliar-se com Yoko, vencer o processo de imigração e conseguir o Green Card, Lennon decidiu afastar-se da música para dedicar-se à criação de seu segundo filho, Sean Lennon, nascido no mesmo dia de seu aniversário, em 1975. O casal voltou aos estúdios em 1980 para gravar um novo álbum, Double Fantasy, lançado em 17 de novembro. Era como um recomeço. Porém em 8 de dezembro do mesmo ano, John foi assassinado em Nova York, quando retornava do estúdio de gravação junto com a mulher.
Dentre as composições de destaque de John Lennon (creditadas a Lennon/ McCartney) estão "Help!", "Strawberry Fields Forever", "All You Need Is Love", "Revolution", "Lucy in the Sky with Diamonds", "Come Together", "Across the Universe, "Don't Let Me Down" e, na carreira solo, "Imagine", "Instant Karma!", "Happy Xmas (War is Over)", "Woman", "(Just Like) Starting Over" e "Watching the Wheels".
Recebeu uma Estrela da Calçada da Fama de Hollywood em 30 de setembro de 1988. Em 2002, John Lennon entrou em oitavo lugar em uma pesquisa feita pela BBC como os 100 mais importantes britânicos de todos os tempos. Recentemente, em 2008, John foi considerado pela revista Rolling Stone o 5º melhor cantor de todos os tempos. Foi considerado o 55º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone.[3]

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Titulo: CORRUPÇÃO: A MATERIALIDADE É DA TERRA.

Menção honrosa no VIII Salão de Arte Plásticas de São José do Rio Preto (SP)



Titulo:   CORRUPÇÃO:  A MATERIALIDADE  É DA TERRA.

Sobre meu trabalho o ponto de partida é a obra: Da geração e da corrupção (em grego Περὶ γενεσεως και φθορας, em latim De generatione et corruptione), é um texto do filósofo grego Aristóteles de Estagira  A geração e a corrupção caracterizam o maior nível de transformação possível que pode afetar um ente. Em palavras rápidas geração o nascimento e  corrupção a morte e sua decomposição pela natureza.
Relacionei os vermes aos corruptos. O asco que provoca um verme aos nossos sentidos e o mesmo de um corrupto. Essa relação continua em minha obra citando os nomes  das atividades dos políticos, dos que tem  cargos públicos e do comerciante comum: presidente, governador, senador,  deputado ,  prefeito, vereador, juiz, etc.;
O Corrupto é um grande mal de nossa era (e de todos os tempos), está do nosso cotidiano. O corrupto é um assassino! Quando sua atuação não deixa chegar ao atendimento à saúde. É um delinqüente pelo prejuízo que causa ao futuro de toda uma geração,  exemplo desvio verba educação e inúmeras formas de corrupção.
Portanto, todo o tesouro que acumula, poderá servir a alguns de seus sucessores, mas, acabará, pois, da matéria nada levará.

                                        Autor: BELEM
                                                     Instalação
                                                     40 cm  de altura, 32 cm de largura e 40 cm de comprimento